Home / Como lidar com o Diabetes / Confira dicas antes de embarcar no avião com a bomba de insulina!

Confira dicas antes de embarcar no avião com a bomba de insulina!

Você vai viajar de avião? Saiba quais são os procedimentos indispensáveis para o uso da bomba de infusão de insulina

Caro leitor, o final do ano se aproxima e com ele a possibilidade de merecidas férias se torna realidade. Se você tem diabetes e faz uso de bomba de infusão de insulina, preparamos esta matéria para esclarecê-lo dos procedimentos a adotar nos aeroportos e aviões para fazer uma viagem segura e tranquila.

Muitas pessoas ficam indecisas se o equipamento passa pelo detector de metais, pela esteira, se os oficiais da Polícia Militar pedem revista pessoal e, ao passar pela alfândega deve-se suspender o seu funcionamento?

Para responder aos diversos questionamentos, contamos com a ajuda do endocrinologista Edson Perrotti, que também tem diabetes, que assim nos esclarece: “A bomba de infusão de insulina passa livremente pelo detector de metais em muitos aeroportos, mas não em todos. A recomendação que deixo, por experiência própria, é que se você estiver apressado, com necessidade de passar rapidamente pela alfândega, simplesmente desconecte e a deixe passar com seus equipamentos pelo Raio X. Caso não tenha pressa, pode mantê-la conectada e funcionando. Muitas vezes nada acontece, porém em outras ocasiões pode disparar o sinal de metais, momento em que será necessário explicar que se trata de equipamento médico para infusão de insulina”.

aviao-sici

“Vale lembrar que a pessoa precisa levar consigo uma prescrição médica alegando que usa bomba de infusão de insulina e monitor de glicemia, ou seja, uma declaração explicando que tipo de equipamentos e porque devem estar sempre com o paciente. A pessoa deve se recordar de levar a receita e a declaração em inglês para viagens internacionais”, alerta Dr. Edson.

Não há necessidade de desconectar a bomba em pousos e decolagens; o que é preciso é desligar o bluetooth do smart control e da bomba para os usuários do sistema Accuchek Combo. Depois da chegada é importante checar se houve o surgimento de bolhas ao longo do cateter ou do reservatório de insulina da bomba. É incomum, mas pode acontecer pela eventual variação de pressão da cabine.

“É importante esclarecer que a bomba pode parar de funcionar a qualquer momento e em qualquer lugar por diversos motivos. Durante o voo, é fundamental que a pessoa leve junto à bagagem de mão insumos de reserva (cateter, cânula, insulinas rápidas e uma de ação prolongada com agulhas para canetas de insulina, pilhas, etc.). Caso haja problemas com o equipamento e a parada da infusão de insulina, dessa forma poderá se manter insulinizado”, explica o endocrinologista.

Às vezes a falha no equipamento pode ser solucionado apenas pela troca das pilhas. Porém, é de fundamental importância ter caneta tanto de insulina basal como de ação ultrarrápida para uso em caso de falha da bomba de insulina, pois caso não seja possível reiniciar a infusão pela mesma, aplicar imediatamente insulina de ação basal na mesma dose que o basal da bomba e aplicar insulina de ação ultrarrápida para a ingestão de carboidratos e correções de hiperglicemias”, enfatiza Dr. Perrotti.

Quanto aos cuidados com a mudança de fuso horário, existem vários protocolos a respeitar. Quando a diferença é pequena, ou seja, de uma a duas horas, basta modificar o horário do equipamento de acordo com o do destino. Para diferenças maiores, é preciso conversar com o seu médico para que juntos possam encontrar a melhor alternativa.

“Do ponto de vista de praticidade, o que eu utilizo em minhas viagens com fusos horários mais distantes é simplesmente no meio da mesma modificar o horário do equipamento para o horário do destino, ou seja, se o período total de voo levará 10 horas, quando chegar na quinta, troco a hora da bomba de insulina para o horário do destino”, aconselha o endocrinologista.

Espero ter esclarecido as possíveis dúvidas para que você faça uma excelente viagem!

Vanessa Pirolo

Jornalista, criadora do blog convivência com diabetes, tem diabetes desde o seus 18 anos, e redatora do Portal DBCV. Quer me conhecer melhor? Então, clique aqui!

More Posts - Website

Deixe Seu Comentário

comentários

Veja também

ANA paula post

Convivência com o Diabetes em Portugal, Itália e Holanda. Veja a experiência de Ana Paula Camargo!

Uma Brasileira na Europa Ana Paula Camargo Um pouco além dos 40 anos de idade ...