Home / Consumidores / Recém Diagnosticados / Diabetes na Terceira Idade

Diabetes na Terceira Idade

diabetes-terceira-idade-interna

Envelhecimento é para diversos autores um processo evolutivo, um ato contínuo que acontece a parir do nascimento do indivíduo até a sua morte! É o processo constante de transformação!

A chamada Terceira Idade para alguns, é um aprisionamento, para outros é a conscientização de seu atual momento, que deve ser vivido com o mesmo amor e dedicação que vivenciou em seus anos mais jovens. A terceira idade não comprometida psicologicamente é aquela que cuida, vive e quer continuar vivendo a vida em toda sua plenitude. Dentro dos aspectos biopsíquicos da terceira idade, o que mais nos chama a atenção é o estresse, o desgaste físico e a tendência à obesidade localizada.

Quando o diagnóstico chega, geralmente a primeira reação é de incredulidade e negação. Em seguida a pessoa se sente chocada, apática e cria uma sensação de descrença. Ela age, ignorando muitas vezes o diagnóstico. Manifesta sentimentos de dor emocional, tristeza, angústia e mal estar.

O sentimento de culpa e depressão é inevitável muitas vezes. Nenhuma outra emoção humana é tão aflitiva e dolorosa quanto a culpa, por sermos diretamente responsáveis por nossas escolhas.

O tempo, a dedicação, o amor, o afeto dos familiares e a crença em Deus, formam o elixir perfeito para ajudar o portador de diabetes a superar sua dor e tristeza. Ao tomar consciência de si, começam a elaborar a própria doença. Este processo envolve a procura de mecanismos de recuperação, uma reeducação alimentar, social e físico-emocional e o trabalho que passa a  ter valor terapêutico.

Neste momento, a troca de vivências com portadores da mesma doença tem um valor infinito, o que acontece nas associações de diabetes, por exemplo, como o conhecimento da própria doença, a descoberta de uma nova forma de viver e enxergar a própria vida e a descoberta de não estar só, levando-o a repensar suas crenças e valores.

Reaprende assim a conviver com sua própria condição. Geralmente esse movimento acontece com a intervenção de uma equipe interdisciplinar presente nestas instituições que ajuda o portador a se recolocar no mundo com o seu eu mais reestruturado. Conscientes de sua realidade, retomam as tarefas diárias com mais coragem e responsabilidade sobre sua própria vida, aceitando suas mudanças e vivendo com mais autenticidade novos modelos de ser.

Compreender estas pessoas perfaz uma necessidade urgente dos profissionais da saúde de se apoderarem de uma escuta mais qualificada, e a se questionarem sobre alguns aspectos do nosso comportamento profissional e pessoal ao lidar com o desequilíbrio das emoções humanas.

Somente através da compreensão desses pacientes, é possível cuidar de ajudá-los a enfrentar tais situações. Um outro aspecto a ser considerado é o fato de que devemos ter em mente a necessidade do homem ser livre para viver plenamente seus sentimentos negativos também e gerenciar auto cuidado apreendido!

Finalmente, considero que a vida está aí nos presenteando com a riqueza de apenas ser…Cabe a cada um de nós, nos responsabilizarmos por nossa próprias escolhas! Podemos escolher passarmos por ela com esperança e confiança da descoberta de nossas próprias capacidades e novas habilidades ou nos afundar na amargura do desconhecido!

O Desafio está lançado!!!

Escrito por Regina Niglio,psicoterapeuta especializada em doenças crônicas e membro do Conselho Consultivo e Científico da Associação Diabetes Brasil (ADJ)

Vanessa Pirolo

Jornalista, criadora do blog convivência com diabetes, tem diabetes desde o seus 18 anos, e redatora do Portal DBCV. Quer me conhecer melhor? Então, clique aqui!

More Posts - Website

Deixe Seu Comentário

comentários

Veja também

bomba-insulina

Bomba de insulina traz mais liberdade para qualquer atividade

“Quando os ventos de mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de vento”, assim ...